domingo, 29 de março de 2015

#Tecnologia: Aplicativo Kiwi de perguntas e respostas


Kiwi: app de perguntas e respostas atrai jovens com anonimato


Em pouco menos de uma semana, o aplicativo Kiwi - Q&A virou um dos mais baixados da categoria gratuito na loja de conteúdos Android (o sistema mais popular do Brasil). Apesar de ter ficado conhecido pelas notificações enviadas para amigos no Facebook, o app chama a atenção por permitir saber o que nossos amigos pensam através de perguntas.

A ideia não é necessariamente nova -- serviços como o Formspring.me e Ask.fm, por exemplo, faziam o mesmo. Como seus concorrentes, o Kiwi também tem uma versão web que pode ser acessada no sitehttps://kiwi.qa. Porém não é possível fazer perguntas por lá. 


Como funciona

Depois de baixar e instalar o aplicativo, o usuário deve se cadastrar com um e-mail ou pelo Facebook.
A interface do programa lembra bastante o Twitter. Tem a aba "feed" (que mostra as perguntas respondidas pelos seus amigos), "descobrir" (que exibe interações recentes na rede) e "atividade" (notificações de novos seguidores e de que determinadas pessoas responderam sua pergunta).
No Kiwi, o usuário pode responder e fazer perguntas (identificando-se ou optando pelo anonimato). Todos os questionamentos devem ter um "destinatário".
Caso não tenha gostado de uma pergunta, a pessoa pode ignorá-la ou excluí-la. Essa última opção, por enquanto, não está disponível no Android. Para apagar uma pergunta no sistema do Google, é preciso respondê-la para, em seguida, removê-la.
As interações lembram um pouco o Facebook. É possível curtir respostas e responder com textos ou imagens, como a área de comentários da rede social.

Por que é legal?

O aplicativo diz que o Kiwi ajuda as pessoas a saberem o que seus amigos pensam. De fato, é possível acessar o perfil de cada amigo e ver as respostas que ele deu.
Um recurso que pode ser legal é o de fazer perguntas anônimas. Ao questionar usuários no Kiwi, alguns citaram que utilizam o recurso para paquerar. Pode ser uma forma de quebrar o gelo.



Postar um comentário